O Blog Virando Amor fez uma resenha sobre minha obra “O Silêncio dos Livros”.

Título: O Silêncio dos Livros // Autor(a): Fausto Panicacci // Editora: Pandorga // Páginas: 148 // Gênero: drama, distopia, ficção científica
adicione ao skoob // compre aqui
SINOPSE: TER LIVROS É CRIME. DENUNCIE. Numa época em que os livros são proibidos, o misterioso Santiago Pena acaba de chegar a Portugal, onde conhecerá Alice, menina desprezada pelos pais. O encontro de um antigo caderno trará questões intrigantes. Que relação haveria entre um jovem acusado de crime que alega não ter cometido, suntuosos projetos arquitetônicos e a descoberta de uma biblioteca abandonada? O Silêncio dos livros é uma declaração de amor à Literatura. Romance para ser saboreado não só pelo enredo recheado de tensões e suspense, mas também pelos detalhes de construção, insere-se na melhor tradição da cultura ocidental, com sutis menções a livros, poemas e vinhos, a mitos clássicos e folclore, a obras de arte e teorias científicas, além de enveredar por grandes discussões da contemporaneidade, como privacidade, identidade, genética, direito ao esquecimento. Manejando uma linguagem precisa e poética, o autor cria metáforas surpreendentes, explora recursos estilísticos e sabe convidar o leitor a desvendar sentidos apenas sugeridos.

No futuro, livros são proibidos. As pessoas são obrigadas a denunciar. Nisso, conhecemos Alice, em Portugal, que ainda mantém um livro, com a dedicatória da vó e tudo. Mas a mãe descobre o esconderijo do livro e destrói ele na frente da menina.

Ninguém tem muita paciência com a menina, os pais ficam ocupados demais com suas tecnologias enquanto tudo que a menina quer é alguém pra lhe contar histórias. Por isso ela sente muita falta do tio e da avó, que contavam muitas histórias pra ela. Mas isso muda quando Santiago, um homem solitário, muda pra casa ao lado de Alice.

“Era um daqueles períodos da História tão tragicamente adultos que o absurdo só se faz visível aos olhos da infância.”

Santiago é a favor da volta dos livros, e num jantar na casa da família de Alice, eles explicam porquê são contra. Ninguém tem tempo de ler livros, é muito mais “democrático” ser algo que todos podem alterar em vez de ficar preso na visão do autor do livro. E foi nessa parte (logo no início) que o livro me conquistou. É um livro que homenageia todos os livros, e faz críticas à nossa sociedade atual, que não lê, que não enxerga a importância dos livros.

“A Literatura fornece-nos muitas chaves para compreensão da vida; basta apanhá-las e abrir as portas.”

Também acompanhamos Hilário de Pena, no Brasil, em meio a uma investigação criminal. Ele foi acusado de matar uma pessoa, mas diz que estava apenas defendendo os amigos. Uma das coisas favoráveis a ele é que ele não tem o gene violento, algo que o Governo brasileiro copiou de outros governos estrangeiros pra determinar casos de violência e dependendo do caso, pode ser levado a pena de morte. Mas como ele não tem o gene, o governo terá que repensar o tal estudo.

“Talvez as coisas tivessem de ir embora, mesmo sendo isso triste, para que outras pudessem vir.”

As duas tramas se unem de uma forma inesperada e cria história simplesmente genial. Tem referências a Fahrenheit 451 com a queima de livros, conhecemos também um contrabandista de livros, que leva livros do Brasil – um dos poucos países que não proibiu os livros impressos, por incrível que pareça – à Portugal, que nos remete à Menina que Roubava Livros, isso tudo com uma essência própria.

 

“Devemos resistir a tudo que nos desumaniza, e a eliminação de boas e velhas histórias, dos livros, é receita certa para a desumanização.”

O livro é muito bem escrito, e você já fica curioso só pela premissa, mas ele te prende e traz metáforas inteligentes. Mostra como a leitura é capaz de mudar uma vida. Com certeza virou uma das melhores leituras do ano! E apesar dos tempos sombrios que vivemos, é sempre bom ler algo que nos faça refletir, e esse livro com certeza vai ter esse efeito em você. Recomendo esse livro que homenageia todos os livros!

“Sabe, alguns dizem que o homem é fruto do meio; outros, que é produto dos genes; talvez há um pouco disso tudo; mas penso que, fundamentalmente, é fruto dos livros que lê; ou nestes tristes tempos, dos que não lê.”

To access the blog click on here.